Imagem
Foto/Imagem Correio

Demi Lovato fala sobre polêmicas em doc lançado no YouTube

Confira o vídeo na íntegra e leia declarações da cantora americana que lidou com drogas, depressão e distúrbios alimentares

Cantora, atriz e compositora americana, Demi Lovato, 25 anos, é um dos nomes de destaque do pop atual. Com carreira que veio sendo consolidada desde 2009, ela não teve fáceis bastidores: depressão, anorexia, bipolaridade e mutilações foram alguns dos tópicos que preencheram a lista de desafios da artista. 

Após passar por clínicas de reabilitação e assumir publicamente os problemas que enfrentava, Lovato passou a disseminar mensagens sobre amor-próprio e quebras de padrões sociais. É essa caminhada que Simply Complicated exibe, indo desde a infância da garota de Albuquerque até a chegada do seu novo álbum, o recém-lançado Tell Me You Love Me. Na filmagem, assim como no Instagram, a cantora passa mensagens também visuais, ao aparecer em diversas cenas sem maquiagem alguma.

O documentário, repleto de esclarecimentos sobre polêmicas e com declarações inéditas de Demi, é uma produção do YouTube que foi ao ar no início da tarde desta terça-feira (17).  Em poucas horas, o vídeo alcançou mais 300 mil vizualizações.
“Estou aberta para conexão humana. Se é homem ou mulher, não importa”, diz Demi Lovato no vídeo.  O soco que deu em uma das suas dançarinas, o fim do relacionamento de 6 anos com Wilmar Valderrama, reflexões sobre a importância de estar só, sobre machismo, sexo e sobre as doenças que enfrentou: são somente alguns dos pontos que a cantora vem a refletir no projeto. Com trilha sonora repleta de novas composições da artista, o doc traz cenas acompanhadas de letras autorais de Lovato, que exemplificam cada assunto abordado: “Estou feliz. Da última vez que fiz uma entrevista tão extensa, eu estava drogada. Foi para um projeto chamado Stay Strong”. É com esta declaração que a renovada Demi inicia o documentário, enquanto mexe as suas mãos mostrando as tatuagens com mensagens motivacionais, que cobrem os cortes que fez em si mesma.

“Eu sou Demi Lovato e a última década me ensinou uma vida inteira de um punhado de lições. Eu aprendi que segredos deixam você doente. Eu aprendi a importância de ser uma voz ao invés de uma vítima. Eu aprendi que sexo é natural. Eu aprendi que amor-próprio é também amar os outros. Eu aprendi que ter o coração quebrado é inevitável e que a solidão é brutal. Aprendi que a chave para ser feliz é contar a sua verdade e estar ‘ok’ com as perguntas que carrega. Essa é a minha história, e isso é simplesmente complicado”, prossegue Lovato, narrando imagens da própria vida e fazendo uma brincadeira final, que remete ao nome do vídeo.

As imagens têm sequência com uma demonstração do perfeccionismo de Lovato, que mostram o que ela aprendeu a valorizar acima de tudo: os sentimentos reais que está carregando.  “Acho que poderia estar mais perto da perfeição. Deveria estar, isso é pro meu álbum”, fala a artista chateada por não atingir o som que deseja. E ela faz de novo, e de novo. E mostra disciplina, foco. Mensagens que vai trazer em metáforas na sua história de vida, que já tem muito o que contar, ou melhor, cantar.
Drogas “Sofri muito bullying na escola, então me aproximei de uma garota popular. Ela disse que conhecia muita gente por fazer festas e saber festejar. Eu perguntei o que ela queria dizer com isso, então ela me disse que bebia, cheirava... Comecei a usar essas coisas com ela”, conta Demi. 

“Na primeira vez que usei cocaína eu tinha 17 anos, estava na Disney Channel. Eu estava com alguns amigos e estava assustada, porque minha mãe falava sobre o quanto aquilo poderia ter consequências terríveis, mas fiz mesmo assim. E eu amei. Me senti fora do controle, e não sabia o quanto é péssimo estar fora dele”, ela aborda antes de começar a falar dos problemas que tinha com o pai biológico. “Meu pai era um alcoólico, então estava pensando, naquele momento, que eu estava finalmente entendendo o que ele tinha encontrado na bebida, porque eu estava achando isso nas drogas”.

“Eu era depressiva desde muito nova, fascinada pela morte. Ficava me perguntando como seria ter um funeral e não entendia o motivo de ficar pensando tanto nisso”. Demi faz a declaração antes de aparecer em uma mesa com Joe Jonas, que começa a falar sobre o início da carreira da artista, a fazendo rir. Pelo visto, as possíveis mágoas geradas pelo término do relacionamento de ambos ficaram para trás. O mesmo produtor dos Jonas Brothers foi o que descobriu a garota de 15 anos (Demi, na época), que começou a ser reconhecida através do filme Camp Rock (Disney Channel).

“No começo eu cantava músicas que achava que as pessoas iriam gostar, e não as que eu realmente queria e achava que traduziam meus sentimentos. Mas eu sou perfeccionista e queria ser a melhor da melhor. Eram números acima da arte. Isso foi me quebrando ainda mais”, pondera Demetria.
O soco Em uma das passagens do documentário, Demi Lovato dá detalhes do episódio em que deu um soco na dançarina Alex Welch, a Shorty, em 2010, durante uma turnê com os Jonas Brothers. 

Nick Jonas, que acompanhou a situação, também declarou sobre o ocorrido. “Na turnê, a relação do Joe e da Demi ficou complicada e eu me tornei a ponte entre eles. E isso foi bom para mim e para ela, nos aproximou. Na minha cabeça, eu sentia orgulho disso de uma maneira egoísta: ‘Estou a ajudando a voltar a ser a Demi que todo mundo conhece e ama. Ela não vai fazer nenhuma loucura, vai ficar tudo bem’. E aí este episódio aconteceu”, fala Nick, irmão do ex-namorado da cantora.

Na sequência, Demi narra o que aconteceu, lembrando que após a briga no avião no Peru, ela foi parar em uma clínica de reabilitação: “Convidei um monte de gente para jantar, minha banda e dançarinas. Paguei por todo álcool, alguém arranjou maconha. Eu usava Adderall (mistura de sais de anfetamina) e nós destruímos o hotel. O hotel estava nos ameaçando e eles perguntaram para as dançarinas o que tinha acontecido. E aí alguém me dedurou por usar Adderall. Alguém contou para Kevin Jonas Sênior, Phil (empresário) e meu pai. Eu fiquei p***. Não acreditava no que tinha acontecido. Agora, todo mundo sabia das drogas. No dia seguinte, eu estava em apuros. Lembro de chegar no Kevin Sênior e dizer: ‘olha, quero agradecer quem me dedurou porque eu sei que a pessoa estava preocupada comigo. E eu realmente quero saber quem contou’. Eu o manipulei para me contar quem foi. Ele disse: ‘foi a Shorty’. Nós éramos muito próximas por causa do Camp Rock e Camp Rock 2. Então, quando ele disse ‘Shorty’, eu lembro de pensar: ‘Vou bater nessa p***’”.

Demi Lovato conta que foi atrás de Shorty no voo e: “Foi como seu eu apagasse. Todo mundo estava em pânico”, contou a cantora em Simply Complicated. “Só lembro de sentar e mandar mensagem pra minha mãe dizendo, ‘sinto muito’. Dormi o dia todo. Atingi o meu limite”. John Lloyd Taylor também declara sobre o episódio: “Foi aí que eu me toquei que isso era uma situação muito maior do que uma adolescente que queria festejar”. 
À beira do suicídio Phil McIntyre, empresário da cantora, e outras pessoas da equipe de Demi começaram a perceber seus distúrbios, seu estresse constante e desordem. “Ela é uma adolescente, está apenas sendo dramática, era isso o que pensávamos. Mal sabíamos que ela estava brigando com ela mesma, que queria poder respirar. O maior problema é que esse tipo de situação costuma ser ignorada, porque queremos julgar os outros ao invés de tentar entendê-los primeiro”, declara Phil.

“Não era minha culpa, eu tinha uma doença, era bipolar. Fui diagnosticada depois. Eu me drogava nos banheiros, no meio da noite, ninguém sabia. Eram muitos problemas unidos e causando outros”, conta a artista depois de esclarecer o caso do soco dado na dançarina. O produtor de Demi prossegue: ‘ela estava na beira do suicidio’. 

“Sim, eu burlava meus testes de drogas com urinas de outras pessoas. Eu mentia na cara das pessoas. Eu não sabia quem eu queria ser”, aponta Demi.

O produtor da artista revela o momento em que ela ‘acordou’. “Perguntei: qual é a hora de dar um passo para trás? E Mike disse pra mim ‘quando ela parar de tentar’. O mais importante pra Demi é não perder as pessoas que ela se importa e ama. Mas estávamos no limite, então fui com uma parte da equipe e avisamos que estávamos largando ela. Ela entrou em desespero, chorou e perguntou o que precisava fazer. Falamos pra ela jogar o celular na água. Ali estavam os traficantes, as pessoas que eram más influências. Ela jogou o celular. Foi um momento de sacode. E ali começou a mudança”.

Ele ainda prossegue com curiosidades. “Enquanto ela estava como jurada no The X Fator, ninguém sabia que, por trás, ela estava sem celular, em um apartamento sóbrio, com colegas que ficavam de olho. Ela estava em um processo de recuperação”.
Relação com Wilmer e o valor da solidão “Eu nunca amei ninguém como eu amei Wilmer, e como ainda amo Wilmer”, conta Demi no documentário, falando sobre o ex-namorado Wilmer Valderrama. “Foi uma conexão que nunca tive com ninguém. Não foi a falta de amor que nos levou ao fim. Nós decidimos juntos que éramos melhores como amigos”, esclarece. “Já é difícil demais lidar com uma separação, com um término. Com os olhos públicos nisso então... é uma violência”, completa. httpwwwcorreio24horascombrfileadmindemiewilmerjpg Demi com o ex-namorado, Wilmer Valderrama
(Foto: Reprodução do Instagram)
“Às vezes, no meio da noite, quando eu estava sozinha, eu me pegava pensando se eu tinha tomado a decisão certa. Porque amor é raro. Acho que meu coração sempre vai estar de alguma forma com ele. Foi com ele e acho que vai ser com ele. Você não divide seis anos com alguém e não o deixa com um pedaço do seu coração. Eu sei que nunca vou encontrar alguém que se compare a ele. Mas tento manter a mente aberta e o coração aberto pra se acontecer algo mágico perto disso”.

“Um dos principais motivos que nos levou ao fim foi o seguinte: tem coisas que eu não vou concretizar se eu tiver alguém pra cuidar da minha solidão. Eu apenas não estava pronta. Tinha tanto da minha vida que eu não tinha explorado ainda... Agora moro sozinha, pela primeira vez. Tenho a minha casa decorada como desejo, entendo mais a minha personalidade. Eu e meu cachorro. Eu precisei disso pra entender a importância de estar só às vezes”, alerta a cantora.
Distúrbios alimentares “Quando me sinto sozinha, meu coração fica com uma fome descontrolada”, com essa metáfora que Demi começa a relembrar os distúrbios alimentares. “A comida foi um problema que veio antes das drogas”, exclama. 

“Uma garota da escola disse que eu precisava me matar. Eu não tinha amigos. Estava sozinha. Perguntava qual o motivo de me tratarem assim. Comecei a engordar muito. Então passei a buscar pessoas para me espelhar, mas não pelos intelectos e sim pelos corpos. Queria ser magra. Começou aí a anorexia e a bulimia”, afirma. “O equilíbrio entre esses dois excessos, entre comer muito na solidão e não comer por conta de padrões, isso foi um desafio absurdo”, completa.
Demi, porém, encontrou um novo estilo de vida. “Tento comer normalmente e faço academia e jiu jitsu. Adoro ter que pensar nos próximos passos e faço isso no jiu jitsu. Quero me livrar dos meus demônios, e precisamos ter formas e formas de meditação pra isso, a atividade física é uma delas pra mim. Precisamos encontrar o que coloca mais de nós mesmos pra fora”, reflete a artista, mais madura. Sexo Demi ainda prossegue falando sobre a sua nova fase, sobre o crescimento. Nele, quebrou padrões e tabus. “Estou aberta para conexão humana, se é homem ou mulher, não importa”, declara. “Quando eu me sinto confortável na minha própria pele me sinto confiante, quando me sinto confiante, me sinto sexy, quando me sexy, cuidado!”.

As cenas mostram Demi como uma garota solteira normal, agoniada ao esperar por uma mensagem de um suposto paquera. “Existe uma polêmica em torno de uma mulher ter sexo casual, e pra mim, eu só sinto que é meu corpo e minha escolha e pode ser excitante e gerar uma conexão sim com alguém, é divertido”, conta Demi. 

“Eu não gosto de quem faz joguinho. A vida é curta demais pra isso. Eu gosto de saber claramente o que está acontecendo e não aceito ser desrespeitada. Só assim podemos acabar com o desrespeito”, alerta a artista, agora confiante.
httpwwwcorreio24horascombrfileadmindemiojpg Demi lançou seu novo álbum, Tell Me You Love Me, em setembro deste ano. Novos clipes ainda estão sendo gravados
(Foto: Reprodução do Instagram)
O documentário prossegue com a garota fazendo palhaçadas, piadas e mostrando o seu lado mais humano. “Eu não sei o que eu teria sem a música. Eu tenho família e amigos, mas a música é meu propósito, a prova de que eu consigo, mesmo quando não acreditaram em mim. É como me conecto comigo e com as pessoas. Cada um tem que achar seu propósito”, finaliza a repaginada Lovato, deixando uma simples mensagem, sobre nada ser tão complicado assim - ou uma complicada mensagem, sobre nada ser tão simples assim.


Compartilhar esta notícia

Notícias Relacionadas

0 comentário(s)

Faça o seu login ou cadastre-se para comentar!